EnglishPortugueseSpanish

A vida de um missionário em nações distantes apresenta diversos desafios que necessitam de tempo e comprometimento para serem vencidos.

Por mais preparo que um enviado possua, sempre surgem situações que desafiarão o cumprimento do seu chamado.

Não se trata apenas das dificuldades de viver e pregar o verdadeiro evangelho, mas de outras questões que apresentaremos abaixo:

 

A ROTINA DIÁRIA

Ao chegar em uma nação do outro lado do mundo o missionário pode estar empolgado e totalmente seguro de que nada faltará, afinal de contas o Senhor está no controle de tudo.

Porém, pouco a pouco o cansaço da nova rotina aliado ao fuso horário e a instabilidade política da nação começam a afetá-lo.

É nesse momento que a saudade da família e dos amigos começa a apertar. Mesmo com a tecnologia possibilitando o contato telefônico e chamadas de vídeo, nada disso substitui o contato físico com os entes queridos ou uma refeição em família.

Pequenas situações, comuns do dia a dia, passam a ganhar um valor imenso!

Conciliar as emoções torna-se um requisito para manter-se firme no chamado, conquistar a confiança dos nativos e desenvolver um relacionamento com eles.

Antes disso acontecer, não será possível compartilhar o evangelho com desenvoltura, pois apesar da expectativa de que a obra avançará rápido, esse processo exige tempo, em muitos casos mais do que era imaginado.

 

O IDIOMA

Para estreitar os laços com as pessoas da respectiva nação, um fator importante é esforçar-se para se comunicar com eles na sua língua mãe.

Isso dá desenvoltura ao missionário e o ajuda a entender melhor a formação intelectual do povo, já que a construção da língua remete as raízes culturais e históricas de cada nação.

O domínio do inglês é importante, mas não se compara a língua nativa, e aí vem o grande desafio!

Só na índia são falados mais de 400 dialetos, porém a constituição estipula que o híndi e o inglês sejam as duas línguas oficiais da administração federal. Há ainda outras 21 línguas oficiais, com representação na Comissão Linguística Oficial do país.

No Camboja são faladas cerca de 23 línguas, porém a khmer, é o idioma oficial, pertencente à família Mon-Khmer. É também chamada de Cambojano, sendo a língua nativa do povo “Khmer“.

Entre as línguas estrangeiras mais comuns estão o francês, que é ensinado em algumas escolas e universidades, o inglês e o vietnamita.

Já a Tailândia é a pátria de outras línguas Thai, faladas também em partes do Camboja, além do tailandês padrão. Seu alfabeto também é derivado do alfabeto Khmer do antigo império Khmer da região do sudeste asiático.

Isso só para citar os países onde a Missão Adore atua. A complexidade linguística destas nações é imensa e exige anos no campo missionário para ser dominada e compreendida.

 

CULTURA E CULINÁRIA

Enquanto preparávamos esse texto passamos por um pensamento confrontador: Não fomos levantados para levar a cultura do Brasil para outras nações, mas para levar a cultura do Reino de Deus.

Isso significa que muitas vezes chegamos a lugares novos julgando comportamentos conforme nossos pontos de vista e costumes. Porém, aprendemos que não há uma cultura certa ou errada, há culturas diferentes.

É obvio que existem ações comuns em uma cultura que são dissonantes com o que é orientado pela palavra, mas nem tudo o que está presente no modo de viver do outro povo deve ser combatido ou reprovado.

Para o missionário, acostumar-se com comportamentos estranhos aos que ele carrega é um desafio e um convite a quebrar preconceitos. Acostumar-se com o trânsito, as vestimentas, os cumprimentos e as leis do país é um desafio que deve ser vencido diariamente.

Além da questão cultural, adaptar-se a culinária local é um processo que pode trazer desgaste, principalmente para os recém enviados.

Há um gama de temperos e alimentos consumidos nesses países que são desconhecidos, ou sem uso, no Brasil.

Em contrapartida, existem pratos comuns ao brasileiro que são praticamente proibidos nesses lugares. A carne de gado é um exemplo típico.

Uma curiosidade compartilhada por uma missionária no Camboja é que em restaurante não se usa facas, os alimentos já vêm picados e são colocados na mesa apenas o garfo e a colher.

A comida normalmente é muito apimentada, a base de muito arroz e verduras.

 

DEUS REALIZA SONHOS

Em meio aos desafios, é nítido que Deus não desampara aqueles que Ele mesmo enviou. Por mais desafiadores que sejam os dias, ele traz alento, sustento e energia para que as missões sigam em frente.

São inúmeros os testemunhos que recebemos, vindos do Camboja, Índia e Tailândia, onde jovens, crianças e adultos têm se convertido a Cristo.

Em breve compartilharemos esses testemunhos com você. Deus abençoe!